Blumenau 10k - ano 2


Ano passado participei da primeira edição da Blumenau 10k, que teve também percurso de 5km. Primeiro ano a procura é sempre pequena, ainda não há muita divulgação, mas foi uma prova bem organizada, percurso interessante porque passa pelo centro de Blumenau, rua Quinze de Novembro, Beira-Rio, passa na frente da Vila Germânica, enfim, pontos turísticos e conhecidos. São diversos aclives, nada muito íngreme, mas o suficiente para exigir um pouco mais, e o clima é favorável, ano passado foi em agosto.
A largada é em frente ao Shopping localizado no centro da cidade, então tem lugar para estacionar (é aberto o estacionamento, e quem participa da prova não paga), facilidade para pegar o kit (na loja Centauro), banheiro dentro do shopping para usar.
Fui correr 10km, estava treinando, o dia estava perfeito, com sol e friozinho, e fiz um bom tempo, acabando em 2º lugar na minha categoria, em 12º no geral feminino.
Então, anunciada a segunda edição, achei uma boa ideia fazer, porque é o mesmo percurso, ou seja, ótima oportunidade para ver como evoluiu a performance.
O kit é meio pobre, mas ano passado a camiseta era mais bonita e de melhor qualidade, a deste ano ficou muito a desejar.
Inovaram quanto ao chip, foi também aquele descartável da meia maratona de Balneário Camboriú, mas desta vez vinha em um envelope com instruções de como colocar. Já me senti mais segura, e não ter que tirar no final da prova para receber a medalha é sempre interessante. Outra vantagem de receber logo é que não precisa chegar mais cedo para a prova, já levei o número comigo também.
Desta vez a prova foi em maio, depois de uma semana de calor, mas no domingo dia 27 estava gostoso, fresquinho de manhã, e o sol foi aparecendo. Sim, era o mesmo dia do ironman em Floripa (próximo post). Na minha modesta opinião, isso não fez muita diferença no número de participantes em Blumenau, porque o corredor que faz 10k e 5k é, em geral, beeeem diferente de quem faz triatlo a ponto de participar do ironman. Claro, sempre tem a plateia, mas eu também fui para Floripa assistir uma parte da prova depois de correr em Blu. Vantagens de uma prova que dura 17 horas (sim, sim.).
Tanto assim que logo percebi que havia muito mais gente para correr do que no ano passado.
A diferença foi no número de fotógrafos, porque quase todo mundo daqueles sites de fotos de provas estava em Floripa. Eu vi dois fotógrafos no percurso.
Eu larguei muito bem, favorecida pela descida da Rua Sete de Setembro, e soltei as pernas. Na rua Quinze achei que as pernas pesaram, tive que reduzir, mas pelo sexto quilômetro recuperei a vontade, tomei um pouquinho de isotonico, joguei uma agua nos pulsos, e já fui melhor.
No retorno perto da vila germânica uma pessoa da organização disse que eu estava em quinto lugar, pódio geral.
Eu estava bem, mas mantendo ritmo. A menina que vinha atrás de mim ouviu, e, pelo jeito, ela estava se guardando, porque me passou exatamente antes de iniciar a subida da Rua Sete, ou seja, os 2km finais, que são em aclive médio. E ali ela já estava na minha frente.
Nos últimos duzentos metros eu ainda forcei bastante, mas não consegui, e cheguei QUATRO segundos depois dela. Voce deve estar pensando: "então dava para pegar". É o que também acho, foi minha mente que não permitiu, e não minhas pernas.
Fiz praticamente o mesmo tempo do ano passado, alguns segundos a mais.
Isso me deixou um pouco desapontada, esperava ter evoluído mais. O meu tempo foi bom, 47'29", para um percurso que não era plano, desempenho muito melhor do que a Track and Field, que fiz em 48'08" num percurso plano.
E, ficando em sexto lugar (subi várias posições em relação ao ano passado), fiquei em primeiro lugar da categoria, ótimo. Pela primeira vez, eu e a minha amiga e irmã de alma Simone ficamos no mesmo pódio, ela em terceiro lugar, fiquei super orgulhosa.
E é uma delícia levar o troféu para casa, sempre é.
Vários companheiros de grupo de corrida melhoraram seus tempos (o André, nosso queniano loiro, voou).
É uma festa a premiação, justamente por ser na praça de alimentação do Shopping, muita gente conhecida, divertido demais.
Havia distribuição de água em vários pontos, mas só isso. No final um saquinho com frutas, mas faltou um isotônico para completar.
Quando fui ver os resultados, porém, no site chip timing, percebi que para a colocação/premiação consideraram os tempos brutos dos corredores. Isso significa que quem largou na frente teve muita vantagem, e provavelmente nem sabia disso. O normal é contar o tempo líquido, ou seja, de quando o corredor passou debaixo do portal de largada - pisando no tapete que lê o chip - até sua chegada, no mesmo local, o que significa que, às vezes, voce chega antes de outro corredor, mas na classificação ele fez um tempo inferior, porque largou mais atrás.
No meu caso, isso não fez diferença, porque larguei na frente e a diferença foi pequena, mas pelo que vi, teve gente que se prejudicou.
Espero pela terceira edição, cada vez melhor. E ano que vem meu tempo vai ser menor, podem anotar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Avaliação do Nike Odissey React - guest post by Simone Andriani!!

O que eu aprendi treinando para uma maratona - para a corrida e para a vida

Do que você está sentindo falta?