Correr no frio e Prova da Unimed


Então, winter is here (Game of Thrones, hehe). Aliás, chegou no outono, daquele jeito friaca total. O problema é que ainda é julho, então teoricamente, vamos até setembro com isso. Que horror. Detesto frio. Mas ouço muita coisa sobre como o frio pode ser aliado de quem corre, para o desempenho. Afinal, os batimentos sobem menos, não tem queda de pressão e outros inconvenientes do verão. Você sua menos, perde menos água, economiza energia. Não me importo. Quero de volta os inconvenientes todos. Mas, até lá...vamos ao aprendizado, porque deixar de correr não é uma opção. 
Domingo foi dia de Corrida do Circuito da Unimed em Itajaí, na praia brava. Também teve circuito Sesi em Blumenau, provas honestas e bem organizadas. 
Fui na da Unimed, a inscrição é muito barata para quem tem o plano, e o kit é digno com sua boa camiseta e sacola com ziper.
Não deu sol...ohhhh. Mas não estava horrivelmente frio, só friozinho. Úmido. 
Largada pontual, um pouco confusa pelo afunilamento na saída, bons pontos de hidratação, ótima sinalização sobre o percurso. Massss (sempre, né), o nível dos percursos de 5km e 10km era muito diferente. A prova de 5km era razoavelmente tranquila, pela região da praia brava, mas os 10km...prova de aventura, mas sem um aviso prévio a quem não está acostumado. Quando me passaram o percurso já percebi que não seria uma prova para fazer um bom tempo, como planejei antes. Afinal, se tem estrada da rainha, caminho de madeira, areia da praia dos amores, escada e subida do Morro do Careca, não é uma prova plana nem moleza. Não recomendaria para quem está estreando na distância.
Por outro lado, prova linda. Visual estimulante, cheguei a correr de costas quando estava chegando no topo do morro do careca para ver a vista. Só faltaram fotógrafos subirem também para registrar, uma pena. O que acho mais legal nessas provas é que quando você acha que cansou de um tipo de piso, tem outro. 
Na real, eu não gosto de correr em lajotas e paralelepípedos, não me parece seguro. Assim, eu estava querendo mesmo chegar na rainha, minha conhecida, subindo direção Balneário Camboriú, uma subida menos íngreme, mas maior e constante. Aquela subida não me vence, corro todo o percurso, ainda mais porque tinha uma corredora que eu queria alcançar e que também só corria. Quando você acha que não aguenta mais, acabou. 
Na descida a tentação de soltar tudo é grande, mas descida é perigosa e pode gastar energia, ainda tinha bastante chão. Final da descida, entrava direto naquele deck de madeira para correr até a praia dos amores. Não é um lugar fácil de imprimir velocidade, mas também não é desconfortável. Em parte, bom para dar uma descansada. A praia dos amores estava em um bom dia, a areia não estava tão fofa, e é ali que eu consigo fazer a diferença, alcancei quem eu queria e mais uma que nem achei que conseguiria. 
Mas aí  veio a escada. Degraus.  Subi até com certo pique, mas então chegou o morro propriamente dito. Foi ali que caminhei, junto com todo mundo, o que é sempre um consolo. Descida deliciosa, firme, porque também a estas alturas já se está no 7km, falta pouco. Praia Brava pela orla (treino habitual para mim), depois por dentro para a chegada, a intenção ali era manter ritmo, foi o que fiz.  
Estava num bom dia, bem focada, e com o sangue nos olhos, fiz a melhor prova possível. 54' não é um ótimo tempo, mas é um bom tempo para o tipo de prova, fiquei feliz, 11 lugar geral e 2 da categoria, sem chance de alcançar a primeira, que chegou com mais de dois minutos de diferença (prefiro assim, não me angustio). Não tive força para sorrir para fotos, estava sofrendo um pouquinho.
Parabéns mesmo é para a Simone, primeiro pódio geral, 4º lugar com um tempaço em uma prova cheia de gente forte, fiquei super super orgulhosa. Ela merece!!
Foi mais uma prova em dia de frio. Parabéns à organização que agilizou a premiação, sem esperar todos chegarem. Sei que parece meio antipático, mas nas provas grandes é sempre assim, não dá para esperar todo mundo para iniciar a premiação, e no frio...pior ainda!
Fazendo mais esta prova no frio, fiquei pensando...
E quero compartilhar com vocês o que aprendi correndo no frio, sem qualquer base teórica séria. Fiz algumas pesquisas, é verdade, e gosto de perguntar para as pessoas, para ver o quão maluca estou.
1. Você não precisa passar frio: este é o ano de investir em roupichas de frio para correr. Tem um certo charme. Meu marido já viu gente correndo de meia calça. Não dá. Errrrrrou.  Várias marcas têm camisetas de mangas longas confortáveis e térmicas. Existem os manguitos, que eu adoro, e acho bem práticos, mas não são tão fáceis de encontrar para comprar, e você tem que experimentar, por causa do tipo de braço, comprimento...Têm a vantagem de caber em qualquer bolso, ou você só enrola no pulso se der calor. 
Eu não gosto de correr de calça comprida, mas dependendo da situação ela é necessária. Quando corri em NY eu não sabia nada, quando corri em Atlantic City já estava mais esperta e fui de calça, eram só 11km, não queria passar frio. Há recomendações para que você inicie a corrida com frio mesmo, e depois vai passar. Sei não...Eu fico muito tensa no frio, musculatura retesa mesmo, e se demora a passar já vai me dando um ruim. E se usar calça, é calça de corrida, não qualquer legging que usa para fazer musculação. Já que vai investir, compra uma de compressão de uma vez, para ter para sempre. Se correr no exterior, aproveite para comprar nas expo, sempre tem marcas boas. Em Amsterdã comprei da Saucony, muito boas, e beeem quentes. 
2. Voce precisa de menos agua, mas ainda precisa de água: a gente de repente não sente tanta sede, né? Mas se duas horas depois do treino você ainda não fez xixi, estava desidratado (essa sou eu). No inverno, não vale o negócio de beber água só quando der sede. Nem que seja um tanto antes de sair e outro na volta, sem hidratação durante treinos curtos. Isso, aliás, é realmente algo confortável, sentir menos sede. Só no inverno mesmo. Resultado: menos garrafinha para carregar.
3. Prepare-se para tirar roupa: a gente vai testando e vendo o que dá certo. Se você decidiu ir correr de calça, se ficar com calor, sorry, é o que tem. Por isso tem que se conhecer, saber como é. Eu sei que dependendo do dia, só vou deixar de sentir frio depois de 3km. Se o treino for de 6km, calça está ótimo. Mas se for correr 12km, vai rolar um desconforto. A verdade é que quando a gente está com frio, apura para correr e acabar logo para esquentar, mas quando fica com calor e não tem como tirar roupa, pode até passar mal. Calcule qual é o seu caso. Se achar que vai passar calor, não use calça.
Eu não uso manga comprida por baixo da manga curta, justamente porque é muito comum ficar com calor, e aí para tirar a que está embaixo é muita função. Se você usa corta vento justinha, que é para ficar por baixo, vá na certeza de que ficará confortável até o final. Senão, melhor sair meio estranho com manga comprida por cima, mas poder tirar. Por outro lado...
4. Não use no treino só o que é para tirar: essa é uma dica importante, tenho feito umas observações na rua. As pessoas colocam uma camiseta e um casaco de zíper e capuz por cima, de moletom, prque, afinal de contas "vai esquentar durante o treino". Isso traz dois problemas: 1. você tem que amarrar aquele treco na cintura e correr com um peso morto pendurado em você; ou 2.  você faz o treino todo com aquela beleza de moletom, de modo algum feito para isso, porque continua com frio ou porque não quer carregar a tralha. Mas é comum que se queira tirar a manga comprida, então é bom que seja algo prático para amarrar na cintura, ou o manguito. Quando corri em NY, o papo era para usar um casaco velho para doar durante a prova. Ok. Tenho ele até hoje, não esquentou e o pessoal do central park ficou na mão. Isso porque...
5. Às vezes, o frio não passa durante a corrida. Fica frio do começo ao fim. Só que treino é treino, prova é prova. Eu tenho que estar com tudo do meu jeito em dia de prova, sem nada me incomodando ou me distraindo do foco. Então, se você só usar moletom e outras roupas do tipo em treinos, sem maiores preocupações, como vai saber como vai ser na prova? Na prova não vai de moletom, certo? Imagina o Foco Radical te vendo!! Vai de camiseta? no frio? sem ter se acostumado? Pode ser, os de elite vão, fico impressionada, mas não é para todo mundo. Tem a adrenalina também. A dica é treinar também com o que vai usar na prova. Sim, isso vai custar mais dinheiro, mas correr no frio exige investimento, senão você não vai correr no inverno porque ficará doente. Eu corri a meia de Floripa com camiseta (não gosto, gosto de regata, mas meus ombros ossudos sentiram frio), manguito de lã e camiseta de manga comprida por cima. Não cheguei a ter calor nos 10km, estava frio demais, e não tirei nenhuma das peças. E se fosse um casaco horrível que me prendesse os movimentos? Tem que usar o que planeja  para o dia da prova pelo menos em algum treino da semana, de preferência o longo. 
6. Acostume-se a correr feia/o: no verão, a gente se esforça para estar bem porque pode ser que tire a camiseta, então até o top combina...isso vale para as meninas. No inverno isso não vai acontecer. E a gente não tem tanta manga longa quanto regata. Tudo isso para dizer que combinar não é sempre uma opção. A única calça pode não combinar com a manga longa limpa da vez, e é isso aí. A touca em vez da viseira, a calça em vez da sainha...isso faz parte. Lembre-se das razões pelas quais você corre, e uma delas é ficar bonita não durante, mas depois da corrida, certo?
7. Cobrir o ouvido é questão de saúde: eu sinto muito frio no ouvido. Muito. Não posso correr só de bonezinho no inverno. Preciso de algo que aqueça. Tenho faixa protetora de feltro, que ganhei no Desafrio, uma que comprei numa feira, e duas de tecido gostoso que comprei de um site que amo de itens de corrida, dos EUA e que pedi para meu irmão trazer. Fica lindo? não fica, não. Vejam minhas fotos na corrida da Unimed. Mas protegem o ouvido, e isso é minha prioridade. Tenho também a touca com buraco para o rabo de cavalo, que amo. Em dias de chuva, cubro tudo. Os homens tem que usar touca, ficar doente correndo não está com nada. 
8. Luvas, extremidades em geral: além dos ouvidos, pés e pontas dos dedos costumam gelar. Os meus, com certeza. Tenho Síndrome de Raynaud, das extremidades frias. Meus dedos dos pés e das mãos chegam a ficar dormentes de frio, e isso é da minha natureza. Então, quando está frio mesmo, corro de luvas até esquentar. Isso porque esquento o corpo quase todo, e por último as mãos e os pés, e por isso continuo com frio. Meus dedos dos pés ficam duros, é bem ruim. Já usei duas meias para correr em frio congelante, e foi bom. Mas esquentar extremidades ajuda a aquecer, certamente. 
9. Meias de compressão: placebo? Vez ou outra aparece alguém falando sobre a questão das meias de compressão. Não vou falar tecnicamente, não sou habilitada. Vou falar por mim: funcionam comigo. Quando uso, tenho uma recuperação melhor, e durante a corrida, mais conforto especialmente nas panturrilhas, que ficam mais travadas em provas mais duras. Com frio, uso as meias mesmo, prefiro. Quando esquenta, uso pernito/polaina, para não trancar o tornozelo durante a corrida, mas gosto mais das meias. Tem gente que não nota diferença, mas eu tenho batata da perna grossa, e em provas com morro e areia, sinto diferença. Só tem um jeito de saber, que é usar. Existem marcas diversas, modelos muitos, tem que experimentar. Minhas favoritas são da CEP, e não uso em prova curta.
10. Pós prova: depois que o suor esfria, dá muito mais frio do que antes de correr. Vá preparado para as provas, levando uma manga comprida extra, de preferencia uma camiseta também, para substituir a suada. Se você pega pódio, vai ficar mais tempo no frio, tem que ter roupa extra. Por fim...
11. A gente não congela. Tem dias que eu acho que vou congelar quando saio para correr, queria usar meia no rosto igual assaltante de desenho animado, e tento escolher o horário mais quentinho possível nas minhas opções. E quanto antes eu for, melhor, porque depois que começo, a alegria vem. Às vezes em 1km, às vezes só no 5km. Ou não. Pode vir só no final. Mas sabe o que eu penso? que em alguns países o inverno dura 8 meses, e eles correm, porque não podem esperar o frio ir embora. Se eles correm, eu corro. Que a adversidade seja minha aliada. Ah, e quando tudo parece péssimo, e ainda chove, sempre tem a esteira.
Beijos, bons treinos!!
p.s. Vem aí uma oportunidade de fazer a diferença e mostrar empoderamento pela corrida...13 de agosto, save the date!

Nesta foto do calçamento da rua, está meu melhor sorriso...







Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Avaliação do Nike Odissey React - guest post by Simone Andriani!!

O que eu aprendi treinando para uma maratona - para a corrida e para a vida

Do que você está sentindo falta?