Ainda bem que era à beira-mar...

Que tipo de pessoa acorda antes das seis da manhã em um domingo, olha para fora e vê que, além de ter chovido durante a noite, ainda está caindo uma garoa, e, ainda assim, levanta, se arruma e se "paramenta", e vai participar de uma prova de corrida?
Bando de malucos, segundo minha mãe. Bando de malucos felizes, que adoram correr, digo eu.
A meia maratona de Balneário Camboriú foi assim, chuvosa...
É uma prova bem gostosa de fazer, visual lindo, e permite correr sozinho os 21km, em dupla, ou 5km. E ainda tem maratoninha para as crianças, então é bem democrática. Tem premiação em dinheiro, atraindo gente muito boa.
Feita a inscrição, retirar o kit no parque Unipraias. Só no sábado, isso acho ruim, podia ter uma estrutura uns dois a tres dias antes da prova, facilita e fica menos tumultuado. Tinha uma feirinha pequena, preços nada atrativos.
Na hora de escolher a camiseta, eu não tive problemas, mas percebi que eles permitiram que as pessoas que foram retirar mais cedo o kit trocassem o tamanho da camiseta escolhido na inscrição. Resultado: não havia mais os tamanhos escolhidos pelas pessoas. Não pode, isso é bagunça. Na Track and Field, para trocar a camiseta, tem que esperar até o ultimo horário de retirada dos kits, e se sobrar do tamanho que voce quer, eles trocam.
Uma mulher ao meu lado ficou muuuuito tempo discutindo com a mocinha porque ela queria a camiseta feminina do tamanho que não tinha mais. Ela pediu desculpas, disse que a corredora tinha razão, mas ficou por isso mesmo. Não acho isso legal, a gente paga a inscrição, não é barata, faz parte do valor a camiseta que sirva, mas...lembrei de um artigo que li na Revista O2, que dizia que para algumas pessoas, correr virou só um detalhe, o kit alegria é que importa. Enfim..."cadum cadum"...mas isso não deve estragar a corrida. Até bem pouco tempo atrás, e ainda em muitas provas, nem tem camiseta feminina, de maneira que o tamanho médio  parece um vestido de saco, e o pequeno parece feito para um anão gordo. Ou seja, não é tudo perfeito, e a sacolinha era uma graça.
Ruim: o estacionamento do parque unipraias não estava aberto como disseram que estaria. Faz falta, a Barra Sul é longe da maioria dos hoteis, e muita gente foi direto de manhã de outras cidades.
Mudaram o percurso em relação ao ano passado, e achei que ficou melhor. Sai do parque unipraias e e vai direto ate a Praia Brava, e volta. Se for em dupla, o primeiro sobe o morro da rainha em direção à praia brava e desce para a praia entregando perto da Unimed, e o segundo volta, mas não exatamente pelo mesmo caminho (a volta tem menos vista para o mar). Sobe também o morro da rainha, neste caso menos íngreme e mais extenso.
Do morro ninguém escapa, mas isso todos já sabiam, e sem sol castigando, fica melhor.
Ponto positivo para a organização: hidratação com água, bem farta, mais ou menos a cada 3km, em copos, bastante gente entregando.
Quem fez a meia maratona, no entanto, reclamou que na metade do percurso (que para nós era a troca da dupla), não havia isotônico para todos, faltou agua, etc.
Aliás, ponto negativo da prova: a transição é uma bagunça. Para começar, algumas duplas receberam pulseira para troca na transição, outras não. De todo jeito, a pulseira era uma piada, aquelas que brilham no escuro e que entregam em festa de casamento, nem cabia no pulso dos homens grandinhos.
A troca este ano era em uma tenda (ano passado era no topo do morro, sem qualquer controle), mas o tapete do chip era uns 500m adiante, e depois havia o retorno efetivo, com alguns cones e nenhuma fiscalização!
No posto de troca ja podia pegar a medalha. Prático, sim, mas meio estranho.
Na chegada, muitas frutas e isotônico, muito bom, e até massagem.
Clenir e Grazi foram a dupla de prata, chegando atrás da Simone Barbosa e Adriane, que são profissionais, praticamente, então elas são muito top mesmo!
Eu fui para treinar, agora consigo fazer isso. Não tão feliz porque meu parceiro de dupla desistiu em cima da hora (né, Shark Wish?), tentei trocar para individual e não consegui, mas felizmente o super Edson me salvou, saindo de Blu e indo correr comigo naquela chuvinha...obrigada de novo, parceiro!
Tive muita dor nas canelas nos primeiros km, que atribuo à falta de aquecimento, e isso me deu uma travada. No morro melhorei, mudou a musculatura e consegui soltar para correr os ultimos km com uma velocidade mais respeitável, mas sem estressar e sem achar que tudo era ruim, só porque não tive um bom desempenho em tempo. Treino é treino.
Quero registrar um agradecimento à Caixa Econômica Federal, pela Daiana, nossa gerente querida, que apoia os clientes atletas, distribuindo inscrições cortesia sempre que possível, e mais uns mimos. Muito legal, valorizo.
Próximo domingo tem Blumenau 10k para nós, reles mortais, e tem Ironman Brasil para quem pode,  como o coach Everton, que eu tive o privilégio de ver chegar ano passado no final, show de bola, fiquei super emocionada. Estou na torcida por ele, Dani ultra woman, Yan, Astério, Daniel (estreantes), e tantos outros triatletas que estão se preparando para o desafio/aventura da vida deles. Vamos lá que está chegando!!!


Comentários

  1. Oi, Andrea.
    Também fiz a Meia de Balneário Camboriú, mas na distância de 5k. Minha xodó das rústicas. Achei tudo ótimo, pelo menos no meu percurso. Foi uma pena não termos nos visto. Vai ficar pra próxima.
    beijos e bons km's!
    Helena
    correndodebemcomavida.blogspot.com
    @Correndodebem

    ResponderExcluir
  2. Bom, né? Meu marido fez os 5km também. Qual é tua próxima?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Avaliação do Nike Odissey React - guest post by Simone Andriani!!

O que eu aprendi treinando para uma maratona - para a corrida e para a vida

Do que você está sentindo falta?