Quanto vale uma planilha de treino?

Participando do curso de culinária funcional da  Lidiane Barbosa, fiquei viajando numas analogias.
Imagine uma pessoa que sempre comeu o que quis. E imagine que não são coisas que uma nutricionista e o um médico recomendariam: fritura demais, sal demais, doce demais...enfim, demais.Um dia essa pessoa faz exames, os resultados não são bons, fora a parte da vaidade, porque a essas alturas o espelho não deve estar lá muito amigo. E vem o estalo: é o fim.
Então, em vez de procurar um profissional (às vezes até por vergonha), mas sem saber como iniciar, a pessoa compra uma revista, daquelas femininas cujos nomes vou evitar, e resolve seguir a dieta do chá, ou a dieta da sopa, ou qualquer uma dessas que vai enxugar e secar em menos de um mês, e tudo vai ser lindo.
E quem consumia umas 3500 calorias (de gordices) por dia entra numa dieta de fome, de algo como 1500 calorias (às vezes ate menos), e, graças ao efeito diurético, perda de água, termogenico, e tudo o mais, emagrece.
E acha que dieta é isso: morrer de fome e comer lavagem. Restrição total. Não poder comer o que gosta. "Maldita dieta, quando eu acabar..."claro, porque não vê a hora de voltar a comer. E essa pessoa não entende como tem gente que faz dieta para sempre, porque é uma tortura.
Durante quanto tempo a pessoa vai suportar a tal dieta? duas semanas, com sorte? E quando terminar, com alguns quilinhos a menos, imagina a larica da pessoa!! A fome, o desespero de comer tudo?!
A chance do peso voltar e ainda aumentar é imensa.
Dieta, regime, é péssimo, bom é reeducação alimentar, saber o que é bom para você, o que te faz bem. Ninguém vive de sopa ou frango grelhado com alface para sempre, e nem precisa!Procura a nutricionista, ela vai mostrar o caminho. Não que vá ser fácil, mas não precisa ser horrível.
Pois eu acho que com o exercício físico acontece de forma muito semelhante.
Você sempre foi sedentário, e um dia percebe que não dá mais. E resolve sair correndo. Literalmente.
Duas opções  comuns: 1. compra a revista, que tem lá: do zero aos 21km em 3 meses, ou nem compra e  acorda de manhã e resolver ir correr, porque todo mundo está correndo mesmo. O quanto aguentar. Com o tênis que tiver.  OU: 2. Vai na academia, fala com o instrutor para ter a noção básica, começa caminhando, depois começa a trotar, alternando com a corrida, e descobre que consegue correr 2km, depois 3km. E assim segue.Quando adquire mais confiança, aumenta a velocidade ou a distância. Ou os dois. Sem critério, conforme o humor,  a disposição, ou se tem um amigo que vai correr também.
Ótimo começar. Mas assim como na nutrição, a mudança tem que ser para sempre. É para virar estilo de vida, hábito. Por isso tem que ser feita de forma planejada e por partes, como Jack fazia.
E se for tudo muito difícil, como quando se pula etapas, vai dando uma desanimada. Só de pensar o quanto voce vai ficar cansado depois, dá uma preguiça de começar...ou dói muito, porque o esforço é sempre muito grande, podendo até fazer uma lesão, e aí realmente fica difícil continuar.
Aí que entra o profissional capacitado. O professor, personal, instrutor, aquele com formação em educação física. Vai ouvir você, suas expectativas, seu horário disponível, seus objetivos, fazer uma avaliação física, ver o seu peso (porque faz diferença), e te apresentar uma planilha.
Sempre digo que o corredor deve participar de provas de corrida de rua. Um dos motivos é você ter um objetivo, e a planilha vai ser elaborada para que você o alcance da melhor maneira possível. Isso significa uma evolução, a cada semana, mesmo que às vezes a gente não entenda muito bem como  acontece.Mas até quem tem como objetivo emagrecer e nada mais tem que mudar o estímulo na corrida para continuar a fazer efeito.
Eu adoro o momento em que chega a planilha. Claro que sou meio doida, e preciso muito de rotina, saber o que vou fazer. Alem disso, como já conheço um pouco o meu ritmo, com a planilha posso saber de quanto tempo precisarei para cada treino.Ainda assim, me surpreendo com freqüência.
Gosto de seguir a planilha. Dá segurança. E planilha é igual a dieta: tem que seguir para ter resultado. Vai ter escapada? claro que vai, nem sempre da para fazer 100%, e assim como na dieta tem o dia do lixo, a planilha tem o dia em que dá tudo errado, além do day off. Na corrida, descanso faz parte da planilha de treino, e isso a gente aprende com planilha.
O que não pode é não conseguir cumprir um dia de planilha e achar que a semana está perdida, nada disso. Aquele dia morreu, segue em frente. Sem essa de perdido por um, perdido por mil.
Conheço gente que desistiu de correr porque não sabia o que fazer a cada semana, então corria três vezes por semana, 5km por vez, em 30 minutos. Aí me diz: "não consigo melhorar meu tempo".
Claro. Não espere resultados diferentes fazendo tudo igual. A planilha faz voce mudar o estímulo, porque os treinos são variados. Vai ter treino de velocidade (famosos tiros), tem o longão, tem o progressivo, morro, tudo visando a melhoria do seu condicionamento, e não há tanta monotonia. Mas o mais incrível é você  perceber melhorando o desempenho ao seguir.
Quem está começando, vai certamente se sentir estimulado e mais seguro.Por isso parece que este post é para iniciantes. Mas não é. É justamente para quem já está mais avançado, e confiante da sua capacidade como corredor.
A tentação é muuuito grande. Já me conheço, sei o meu ritmo, conheço (em tese) meus limites, então posso estabelecer meus treinos de corrida. Será mesmo? Não deve ser à toa que existe um curso de ensino superior de educação física, né? eles devem saber mais do que nós...
Sem planilha, você pode se manter empacado em um ritmo ou em uma distância, ou pode lesionar.
No verão, quando você está semi-off, sem objetivos, tudo certo, corridinhas em dias alternados e variando o terreno, sem problemas, desde que não force os limites.
Mas vejo gente com certa experiência fazendo longão de 35km faltando 5 dias para uma maratona. Nããããooooo!!! Fase de polimento não é assim.
E como eu sei?  porque sou metida. Não, sou curiosa. Quando o treinador manda a planilha, gosto de entender o sistema, inclusive a medio prazo, e ele me explica. Depois que ele me explica ainda vou ler para entender melhor. E todos dizem que o longão não pode ser tão próximo da prova, voce não pode estar com fadiga muscular.
Quem lesiona, ao voltar da lesão, precisa mais ainda de uma orientação, para não colocar a recuperação a perder. A gente acha que só uma corridinha do nosso jeito não vai fazer mal, mas não é assim que funciona. Corre um dia não doeu, depois vai de novo, aí já dá para encarar um longo, um morrinho, e aí um dia volta para casa triste e mancando, e mais dez, quinze, trinta dias sem treinar.
Às vezes a planilha te deixa mais solitário, é verdade. Atualmente, não faço nenhum treino em grupo, porque não tem nada compatível, meio triste. Mas não posso simplesmente sair para correr 18km de morro em um domingo que seria off, só para ficar com a galera. Porque isso depois vai me custar caro na semana seguinte de treino. Fora que o Everton vai brigar, vai ter razão, uma tristeza. Posso só esperar o pessoal com a cerveja...
E quando a gente cumpre a planilha, manda o relatório bonitinho..ai que alegria! Sensação dupla de dever cumprido: na hora de correr, e na hora de relatar.
Tudo isso para dizer o seguinte: procure alguém qualificado para montar sua planilha. Não é gasto, é investimento no seu futuro como corredor e atleta em geral. Eu tenho muito claro para mim que quero correr em Boston, conseguindo vaga pelo índice, na categoria 70 anos. Isso requer planejamento...o quero dizer é que pretendo correr sempre, não só até ficar velhinha, mas inclusive quando eu estiver velhinha. Então tenho que seguir um método, para continuar me fazendo feliz. Porque no final, tudo se resume a isso: a corrida como fator de felicidade na minha vida.
E a sua?


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Avaliação do Nike Odissey React - guest post by Simone Andriani!!

O que eu aprendi treinando para uma maratona - para a corrida e para a vida

Do que você está sentindo falta?