Meia maratona de São José, Frustração e Liberdade

A pessoa acorda no domingo às 5h50min, vai da Praia da Daniela até a beira-mar de São José para correr  10k. É amor pela corrida, não é? Sim, muito. Engraçado que nem chego a me questionar sobre ir ou não para uma prova. Desta vez era mais fácil porque amanheceu um dia lindo, um céu espetacularmente azul, dava vontade de correr mesmo. 
Tem gente que me diz que não sai de casa para correr pouco. Para esses, eu digo: 1. O que é pouco para você? para quem faz ultra maratona, 21km é regenerativo, para quem nunca fez mais de 8km em treino, 10km parece bastante. 2. Eu saio de casa nem que seja para correr vinte minutos. Sabe por que? Porque sempre acho que vale a pena. E sou mulher. E mãe. E tem vezes que a gente só tem esse tempo. Para completar, melhor vinte minutos correndo do que comendo, né não?
Correr é bom até por isso. Qualquer meia hora correndo vale. É o tempo para fazer entre 5km e 6km. As pessoas me perguntam se "compensa" correr meia hora, três vezes por semana. Claro que sim, se te faz feliz!
Quanto à prova, a Corre Brasil está de parabéns. Bela organização da meia maratona Caixa de São José. Daquelas provas em que tudo funciona direitinho, muita hidratação, pontualidade, entrega adequada dos kits, boa marcação do percurso. Meu senão é quanto à camiseta, bonita, mas de um tecido que deixa a desejar, qualidade duvidosa e  muito quente. 
Achei interessante o número ser autocolante. Claro que dessa vez eu estava com meu porta número, e aí não usava. O número colado na camiseta não incomodou nada. Mas te impede de tirar a camiseta durante a prova, porque não tem como colar em outro lugar. Para quem gosta de guardar o número como recordação, tem que fixar em algum lugar. O chip era dos descartáveis, sem o arame que acho um horror, e sim um adesivo, tudo muito moderno. 
Como sempre, acho que as largadas não deveriam ser juntas para todas as distâncias, porque os paces são muito diferentes. Com uma diferença de poucos minutos já seria mais confortável. Mas já escrevo meio como protesto sem repercussão.
Com percursos de 21km, 10km e 5km, havia muitos iniciantes, e o percurso favorecia. Só que enganava. Sabe quando parece plano de carro? Pois é, mas correndo era levemente inclinado. Para os 10km, duas voltas no circuito, com sol direto castigando. Quem fez 21k deve ter sofrido, porque lá não tem o ventinho de Floripa. Depois vou ler o relato do Hanada para ver o que ele achou. Simone Ponte Ferraz foi a primeira geral, muitos parabéns, ela merece, é dedicação e treinamento na veia. Paraíba também, aquele rapaz simples e que sempre tem um sorriso no rosto, um campeão. 
E eu? Fiz a prova num momento em que estou seguindo 100% a planilha, e praticamente 100% alimentação (no esquema 90/10). Nas férias treinei bastante, e sem estresse de trabalho. Nem vinho tomei durante a semana, e estou focada em baixar meus tempos recentes. 
Mas ainda não foi dessa vez. Fiquei pensando se foi o calor, e certamente também interferiu, porque os tempos em geral foram altos, com exceção da primeira colocada do 10k. Fui a 13ª mulher, 2ª da categoria (não tinha premiação), com 52 minutos. É muito para quem estava preparada, ou achava que estava.
Fiquei me perguntando o que se passa comigo. Pouco treino não é, não foi privação de sono, nem falta de glicogênio. Não quebrei. 
Durante a prova houve um momento em que eu não queria muito sofrimento. Só que velocidade é sofrimento. Não fui além do treino, como se deve ir na prova. Faltou o sangue nos olhos. E isso tenho que trabalhar internamente, me sentir mais estimulada para sair correndo no dia da prova. Como diz a Paula do Correpaula, botou o número no peito é para levar a sério. 
Hora de revisar minhas anotações mentais e programação de corrida. Modo prova não pareceu ter ligado.
E o negócio é que adoro fazer prova, acho a energia excelente, dá uma emoção diferente, é a certeza de que você vai correr mesmo que chova muito (o que não faria se fosse um treino normal), com mais um monte de gente com a mesma energia, superação coletiva. 
A hora da chegada foi uma alegria, porque no final eu dei uma acelerada, ultrapassei, e cheguei bem. 
Só que quando eu tenho esses pequenos surtos de decepção de queda de desempenho, depois eu me lembro que correr é meu lazer, minha alegria, meu hobby. Não é e nem deve ser motivo de estresse. Amadureci quanto a isso, e não termino mais a prova com cara de quem vai matar uma pessoa (alguns amigos já fugiram, coitados) porque queria mais. Não, não. 
Termino feliz, e durante a prova ainda lembro do que o pessoal da motivação de Amsterdam disse: não é a alegria que traz o sorriso. É o sorriso que, pela contração muscular, envia uma mensagem para o cérebro de que você só pode estar feliz, e então você se alegra. E, cá entre nós, a prova não fica mais fácil porque você está com cara feia. Então agora eu sorrio. Devo parecer meio tola, mas isso já acontece em outras situações, e prefiro ser uma tola sorridente.  
Continuo buscando? Com certeza. Mais do que nunca. Porque, de outro lado, eu dispendo um bocado de tempo (e e$$e tempo também) e energia nesse hobby que amo, não é para só brincar. A diferença é que valorizo o correr em si, e, no meio de tanta confusão em que vivemos, sinto-me muito grata por poder correr livremente, sendo mulher, com a roupa que eu quiser, a distância que escolher, a prova que eu pretender, em Balneário Camboriu, Floripa, Blumenau, São José, Rio, Curitiba, Nova Iorque, Amsterdã, Buenos Aires...o que pode ser mais libertador do que isso? Nem sempre foi assim. Leiam a Contrarrelógio deste mês e conheçam a história das primeiras corredoras, da primeira maratonista, que correu com as iniciais, sem indicar gênero, e foi perseguida pelo organizador, que tentou tirá-la à força da prova. 
Gratidão por ter a corrida na minha vida é o que tem para hoje. E é muito.   











Comentários

  1. Que massa! Sabes que tens sempre o nosso apoio! (nosso, meu e dos pequeninos integrantes da família) E ficamos felizes de vê-la feliz correndo, sem stress e ainda assim se superando. E é muito legal ver que inspiras outras pessoas a seguirem esses mesmos passos sorridentes! By the way, acho que está na hora de trocar essa foto do blog ein?!? ;-)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Avaliação do Nike Odissey React - guest post by Simone Andriani!!

O que eu aprendi treinando para uma maratona - para a corrida e para a vida

Do que você está sentindo falta?