Avaliação: Pegasus 35: realmente nova versão

Lá vamos nós para mais uma percepção pessoal de tênis. Sugiro enfaticamente que assistam ao Programa Fôlego sobre o modelo, porque o Gustavo Maia fez toda uma análise técnica que, como já sabem, não é meu objetivo, não tenho conhecimento para isso. Como sempre, minha intenção é mostrar aos leitores como eu me senti com o tênis, e quem sabe ajudar quem está na dúvida do que  comprar. 
Bom, eu gosto do modelo Pegasus, basta olhar minha avaliação anterior.... 
Comecei no 32, tive dois pares, assim como do 33, e eles não se acabavam, a durabilidade é incrível.  Embora o 34 não tenha tanta diferença, achei ainda mais confortável, e o par único que tenho conheceu Roma muito bem, usei por tudooooo. Fiz muitas meia maratonas com ele, e agora finalmente ele está ficando com cara de acabado. 
E o 35? Agora realmente há mudanças. Bem maiores do que nos modelos anteriores. O legal é que, como a marca promete, mesmo com a influência do magricelo e top das galáxias Mo Farah, o tênis mantém o que trouxe os fieis seguidores, como  conforto, segurança, flexibilidade...e agregou novas boas características, de modo que, para mim, o tênis ficou ainda melhor. 
Engraçado que eu achava o 34 perfeito até esses dias. Modelo novo é fogo, de repente a gente descobre defeitos no anterior. Na verdade, não são defeitos, são as evoluções do novo.
Vamos lá
Esta primeira foto é para mostrar que, mesmo sendo preto, combina com meias, shorts, tudo. Fiz um treino que eu considero bem longo, de 28km, e ele foi impecável do começo ao fim.

Não sei se dá para ver bem, mas agora a língua é presa no tênis. Isso é pessoal, mas eu tenho muita aflição do movimento da língua durante a corrida, indo para o lado. Me incomoda, e isso acabou. No Kinvara 9 também é assim, alegria de viver.
O cabedal, pelo menos para mim, ficou igual ao 34, ou seja, melhor do que os anteriores, em termos de leveza e menos calor.
Vejam aqui:

Voltou a ser mais apertadinho na frente. Eu tenho pés magros e finos, para mim ficou maravilhoso, melhor do que o 34, que depois de certo uso, fica frouxo (e como os cadarços tem dez metros de comprimento, eu acho, os laços ficam péssimos). Agora fica mais justinho de novo. Então, se você tem os pés mais largos ou gordinhos, terá que comprar um número maior, ou, se conseguir, meio número maior deve ser suficiente. A Nike tem numeração assim, só que não vem para o Brasil sempre. 
O drop é de 10mm, que eu acho ótimo para treinos maiores e provas maiores. Não faço provas de até 16km (10 milhas) com ele porque me sinto tranquila com um tênis de mais performance como o Kinvara, mas uma meia maratona já me exige essa segurança que o Pegasus dá. Se você for uma corredora bem leve, talvez seja melhor experimentar outros modelos da linha Zoom da Nike.
Ficou mais leve o tênis, com as mudanças. Pelo site, o 34 pesa 255gr, e o 35, 232gr, o feminino. Nas avaliações que li, vinham pesos diferentes, mas eu prefiro mostrar aqui o que tem no site da fabricante. 
Não é bobagem essa diferença, a gente percebe, inclusive na parte responsiva. Antes de assistir ao programa do Gustavo sobre o modelo, eu já tinha achado que impulsionava mais, retornava, ou dava, mais energia na parte de impulso da passada e no retorno, do que o 34. A placa de amortecimento Nike Zoon se estende por toda a entressola nessa versão, como no leve Vapor fly 4%. Dizem que o modelo feminino ainda tem uma espuma mais suave, melhor para nossos pezinhos. Importante dizer isso porque tem muita menina que compra o modelo masculino (também já fiz isso, meu Freedom é de menino). 
A parte de baixo continua com os waffles mas em um formato ligeiramente diferente, mas ajustados no mesmo formato anterior. 
E tem isso aqui:



Daí vejam como é interessante a diferença de percepção. O Gustavo saca tudo de tênis, estuda as tecnologias, as paradas todas, o que o fabricante pensou quando fez, e tal. E aí eu uso e tenho a impressão completamente diferente. Explico. Essa parte alta atrás, e esse bico. O bico é para ajudar no impulso, e realmente achei que rolou uma aerodinâmica melhor com a parte de trás assim. Mas a parte alta no calcanhar, segundo o Gustavo e  a Nike, é para segurar melhor e evitar problemas no calcanhar de Aquiles, favorecendo o desempenho mais confortável para quem pisa aterrissando primeiro com o calcanhar.
Pois eu achei que exatamente por ter isso mais alto, o tênis estimula e propicia que você aterrisse com o médio pé, que atualmente é considerado o ideal, e sua passada fique mais ajustada, com essa parte encostando no quase tornozelo se você insiste em pisar com o calcanhar. Será que consegui me fazer entender? 
Bom, o que eu recomendo fortemente é que mesmo quem já gosta do Pegasus experimente o 35 antes de comprar, porque existem diferenças, maiores do que nas edições anteriores, especialmente essa parte de ser mais ajustado (ou apertado) e a parte de trás. No restante, está como sempre, então quem não gostava do modelo, dificilmente vai gostar deste. Mas quem já gostava, deve ver se ainda é  o Pegasus que você gosta. Eu, pessoalmente, gostei ainda mais, parece aperfeiçoado. O preço também foi "ajustado", passou a R$ 549,00 o da tabela, e o 34 era R$ 499,00. No site da Nike os 34 estão todos em promoção, para quem preferir. 
Claro, na loja Korrer, você tendo participado do treino Mulheres que Correm, ou fazendo parte de alguma assessoria parceira da loja, ou já sendo cliente, sempre tem um desconto esperto e maneiras ótimas de pagar, além da possibilidade de testar o tênis correndo na esteira.
Quem tiver tido uma experiência diferente ou interessante com o modelo, conta aí. Eu não estou presa a marcas ou modelos, procuro sempre o melhor para meu desempenho em cada tipo de prova. 





Comentários

  1. Tenho 3 Pegasus, 2 do modelo 32 e um do modelo 33. Não comprei o 34 porque os outros realmente não ficam velhos. Na versão 35 tive que comprar um número maior, porque ele realmente está mais “curto”. Meus dedos encostaram na parte da frente no número que eu comprava sempre. Mas isso não é porque sou dona de um pé mais largo e alto, é porque está menor no comprimento mesmo. Já a largura e altura novas, não foram resolvidas com o número a mais. Para quem tem pé largo e/ou alto, fica realmente muito justo e incomoda nas distâncias maiores. Como não considero um tênis de performance para distâncias menores, prefiro mesmo as versões anteriores.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A história de alguém fora do grupo de risco: de amiga de infância a coleguinha na corrida, com vocês a meiguice da Priscila Leite!

E para fechar com chave de ouro, quem eu quero ser quando crescer...Carol Sena!!

Gente como a gente, em busca do seu melhor: Ana Paula Martins e sua alegria!!